Charlatan

REMUE-MENAGE SALVADOR BAHIA

Blog Remue-ménage no fundo do texto

Museu de arte moderna, Salvador de Bahia

18.5.2012 -22.7.2012

CHARLATAN NO MAM-BA

Com o fortalecimento do movimento feminista, a abordagem da questão de gêneros tornou-se tema determinante nos debates de meados do século XX. Seus reflexos na produção artística da época alteraram não só o sistema de produção das obras, como de sua análise. A construção da identidade sexual, a representação do feminino e o lugar que a mulher ocupa dentro da sociedade contemporânea permanecem, ainda hoje,  exercendo influência nas ações e temas de artistas e pensadores, ainda que as formas de abordagem ou o foco entre o intercambiamento das questões políticas e teóricas inerentes a este debate tenham mudado nas distintas décadas.

“Evoluir e combater pela igualdade dos sexos”: a proposta da associação suíça Charlatan é promover, através de uma atuação transdisciplinar, o intercâmbio e o fomento ao debate, à pesquisa e à produção artística, favorecendo a troca de experiências e o diálogo entre distintas áreas, combatendo a desigualdade. A programação da mostra Remue-Ménage, ora apresentada no Museu de Arte Moderna da Bahia, foi concebida a partir da colaboração entre Jean Damien Fleury, Esther Maria Jungo, Sarah Glaisen e Adailton Santos, além da participação de artistas suíços e brasileiros, e nos permitirá não apenas conhecer a produção artística destes criadores, como também de participar dos debates e ações que vão possibilitar a troca de experiências entre público e artistas,  e explicitam a vontade de efetivar uma mudança no pensamento e na forma como consideramos não apenas as questões de gênero, mas a forma como nos relacionamos com o mundo e com o outro.

A necessária “maleabilidade de espírito”, como afirmam os criadores do projeto, é desejada, para que possamos permitir a mudança de certos paradigmas que ainda embotam nossa relação com o mundo e sua diversidade.

Stella Carrozzo, Diretora, Museu de Arte Moderna da Bahia

Evoluir e combater pela igualdade dos sexos.

Ao diabo o imobilismo, o pensamento e a ação devem aparecer! Um interesse sustentado pelas relações de gêneros, pelos mecanismos geradores de mudanças e globalmente pela maleabilidade do espírito tem engendrado a série de projetos Remue-Ménage.

A produção cultural em seu conjunto (ritual, intelectual e artística) é o reflexo de diversas motivações. Toda ela, entretanto, se relaciona regularmente com diversas maneiras de forçar os limites da própria percepção e do mundo. Essas ações podem ser particularmente reconhecidas quando nos damos conta que qualquer sensação inédita apareceu. Nesses momentos, a consciência parece então poder extrapolar a si mesma, descartando certos pré-julgamentos cotidianos. Um processo de remodelagem cerebral, nesse sentido, é capaz de nos fazer absorver novos dados e nos abrirmos de maneiras diferentes para o mundo.

Chamar a atenção da sociedade na qual for editado para uma temática que ainda passa despercebida ou, que é considerada ‘superada’ ante aquilo que podemos chamar de ‘pequenos avanços’ coletivos ao longo dos últimos anos. A imensa desigualdade entre os gêneros humanos, com prejuízo para o feminino.

Diversas proposições artísticas como instalações, vídeos, intervenções interativas, ateliês, enquetes públicas e debates vão revisitar o hiato que ainda há entre o desejo de novidade e a reticência para finalmente focalizar a proposta de um caso concreto bem preciso: o choque gerado pela igualdade entre os sexos. Nesse vasto embate sobre a nossa capacidade de renovar a nossa maneira de pensar será conduzido conjuntamente na Suíça e no Brasil em função dos ambientes sociais e culturais com colaborações locais e reflexões que visaram meditar acerca dos resultados das questões que aparecerão em cada lugar.

A questão da Igualdade entre os sexos

O projeto parte de uma constante: a disparidade milenar, enraizada nos mitos, nas coerções e imposturas machistas. E vai além do reconhecimento teórico da igualdade entre os sexos, um reconhecimento só feito a partir da evolução da forma de pensar dos séculos precedentes, sobretudo pelos interesses sociais e econômico, pois quando comparamos competências a igualdade é indiscutível.

Três séculos e meio, mais ou menos, nos separam da abordagem cartesiana de « igualdade entre os sexos » de Poullain de la Barre. Depois disso a ideia de igualdade ganhou terreno mas sem conseguir liberar concretamente a condição feminina das reticências e da má fé. Pois, mesmo com os avanço no terreno conceitual, continua uma dificuldade convencer que... As intervenções Remue-ménage se utilizam de artifícios reflexivos e pragmáticos.

A Associação Charlatan e os Criadores

Charlatan é um grupo suíço de pesquisa que cria, seleciona, fomenta e produz projetos no domínio das artes visuais contemporâneas. A associação busca favorecer principalmente o diálogo entre as atividades artísticas e as demais atividades humanas, nas mais diversas culturas e regiões do planeta.

A programação 2012 de Charlatan foi concebida e articulada por Jean Damien Fleury, Esther Maria Jungo, Sarah Glaisen et Adailton Santos. Mas vários outros criadores estão associados à Charlatan na produção das obras e reflexões, individual ou coletivamente, como colaboradores e parceiros. Os principais colaboradores da exposição do MAM, Salvador/Bahia, são: Al Comet, Stéphanie Baechler, Jean Damien Fleury, Sarah Glaisen, Christiane Hamacher, Mireille Henry, Esther Maria Jungo, Isabelle Krieg, Muda Mathis & Sus Zwick & Fränzi Madörin, Fabienne Radi, Nicole Rechsteiner, Adailton Santos e contribuições de Judith Albert, Canan, Ivana Chastinet, Diana Dodson, Quynh Dong, Luzia Hürzeler, Julie Sarah Lourau, Chantal Michel, Barbara Naegelin, Luis Parras, Les Reines Prochaines, Pipilotti Rist, Katja Schenker, Marcello Sousa Brito, Olivier Suter, Evani Tavares, Anna Winteler, Andrea Wolfensberger. Aos quais se acrescentam Mauricio Dias et Walter Riedweg no âmbito da exposição que será apresentada em Friburgo, na Suíça, em outubro 2012.

A depender da capacidade de criação do espírito da associação Charlatan, em termos de interatividade, transculturalidade e transdisciplinaridade, as obras de arte propostas serão levadas para uma reapresentação pública na edição suiça deste projeto, na cidade de Friburgo.

O Projeto conta atualmente com os seguintes apoio:

MAM, Museu de Arte Moderna (Salvador/Bahia); UNEB, Univerisidade do Estado da Bahia; Diretoria de Museus (DIMUS); Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), Secretaria de Cultura da Bahia; PRO HELVETIA, Fundação Cultural da Suíça; Consulat général de Suisse à Rio de Janeiro; Cantão de Fribourg, região suíça; Cantão do Jura, região suíça; Cantão de Thurgovie, região suíça; Cantão de Bern, região suíça; Cantão Cidade de Basel, região suíça; Cantão Campanha de Basel, região suíça; Aglomeração de Fribourg, região suíça; A cidade de Fribourg, suíça. A cidade de Bern, suíça. Loterie Romande